As histórias que o Museu tem para contar

Que o futebol é o esporte mais popular do Brasil, nós já sabemos. Mas no Museu do Futebol não cansamos de descobrir personagens, lugares e as muitas formas de vivê-lo. Jogar, competir, brincar, torcer, manifestar, representar, se emocionar, ler, ver e ouvir são apenas algumas das práticas associadas ao futebol. Por isso, muito mais do que um esporte, o futebol é uma linguagem que promove diálogos entre praticantes de diferentes grupos, gêneros, classes sociais e gerações e é também um discurso por meio do qual esses praticantes fazem valer sua voz.

Hoje, as principais pautas socioculturais e políticas se expressam com e pelo futebol. As lutas por equidade de gênero e por respeito às múltiplas identidades sexuais ganham maior visibilidade quando associadas ao futebol. E o combate ao racismo ganha cada vez mais força nos gramados nacionais.

Temas como esses mobilizam o Museu do Futebol desde sua fundação, em 2008, quando buscou preservar não os objetos ligados ao futebol como camisas, bolas ou troféus, mas a ideia do futebol enquanto ingrediente fundamental da cultura brasileira. Para realizar esse trabalho, foram criados o Acervo, a Midiateca e a primeira Biblioteca Pública sobre futebol no mundo, formando, em outubro de 2013, o Centro de Referência do Futebol Brasileiro (CRFB).
Desde então, a política de acervo do CRFB vem sendo constituída em constante diálogo com as formas como o futebol é social e culturalmente vivido. As exposições “Visibilidade para o Futebol Feminino” (2015) e “Contra-Ataque: as Mulheres do Futebol” (2019) nasceram da sugestão do público visitante que frequentemente mencionava seu desejo de ver mais referências ao futebol feminino nas exposições do Museu.

Para atender ao pedido, o CRFB estabeleceu parcerias para investigar a história do futebol feminino e para reunir as memórias de jogadoras e de outras profissionais do esporte. A ação deu origem às exposições de 2015 e de 2019 que, dedicadas a contar história do futebol das mulheres, incluindo o período de proibição entre 1941 e 1983, afirmaram também seu direito de fazer parte dos campos e das arquibancadas sem qualquer tipo de cerceamento. A coleta e a preservação do material reunido para as duas exposições possibilitam que novas histórias do futebol feminino possam ser pesquisadas e contadas.

Ações semelhantes foram desenvolvidas sobre o futebol amador e de várzea, sobre o futebol profissional, sobre os universos das torcidas e sobre a diversidade encontrada em campos de todo o país. As pesquisas e a digitalização de objetos de memória geraram mais de 15.052 arquivos de imagens, de áudios de entrevistas e de outros registros de história oral.

Além deles, o acervo da Biblioteca e da Midiateca reuniram nesse período uma coleção de 15.593 itens entre livros, catálogos, monografias e periódicos, evidenciando que são muitas as formas de movimentar nossa cultura futebolística.

É essa, em resumo, a missão do Centro de Referência do Futebol Brasileiro: ampliar e difundir as múltiplas referências do Futebol por meio da salvaguarda, da pesquisa e da comunicação, tendo como objetivo valorizar o patrimônio cultural esportivo ao mesmo tempo em que oferece novas formas de observar e de compreender a sociedade brasileira.

Por tudo isso, o Museu do Futebol tem o prazer de reunir pela primeira vez em seu site o banco de dados e as histórias que dão vida a seu acervo.

Equipe do Centro de Referência do Futebol Brasileiro

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support