Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Imagem representativa do item

Memória do trauma de 1950 no testemunho do goleiro Barbosa

Tipo
Artigo
Produção
Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
2013
Páginas
15
ISBN/ISSN
1809-1296
Suporte
Arquivo Digital

Artigo de Elcio Loureiro Cornelsen publicado na revista Esporte e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 8, n. 21, mar. 2013. Para acessar clique aqui.

Sumário

Não tem.

Textos

Nossa contribuição visa a uma análise discursiva de depoimentos do goleiro Moacyr Barbosa a respeito da derrota da Seleção Brasileira na final da Copa do Mundo de 1950 contra o Uruguai. Momento singular na história do futebol brasileiro, sem dúvida, a memória discursiva que se constroi sobre a derrota da Seleção Brasileira em 1950 é perpassada pelo trauma. Nesse sentido, baseados na teoria do testemunho e em conceitos e métodos da história oral, nossa intenção é avaliar em termos discursivos não só o quê, mas, sobretudo, como, décadas mais tarde, o goleiro enunciava, através da memória, sua versão
sobre aquele fatídico 16 de julho de 1950 e seus desdobramentos. Barbosa, tido como um dos “bodes expiatórios” daquela derrota, por diversas vezes, revela em sua fala as marcas de um momento traumático – individual e coletivo –, que o acompanharia pelo resto de sua vida.

ABSTRACT: Our contribution aims at a discursive analysis of the testimonies of the goalkeeper Moacyr Barbosa about the defeat of the Brazilian team in the final of the 1950 World Cup against Uruguay. Singular moment in the history of Brazilian football, undoubtedly the discursive memory that builds on the defeat of the Brazilian national team in 1950 is permeated by trauma. Accordingly, based on the theory of testimony and concepts and methods of oral history, our intention is to evaluate in discursive terms not only what, but most importantly how, decades later, the goalkeeper enunciated, through memory, his version of that fateful July 16, 1950 and its aftermath. Barbosa, considered one of the “scapegoats” of that defeat, several times in his speech reveals the marks of a traumatic moment – individual and collective – that would accompany the rest of his life.

Exemplares

MF0000010172b / circula externamente
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Governo do Estado de SP