Diogo Silva

Diogo Silva, um homem negro com cabelo preso atrás da cabeça e cavanhaque, fotografado de lado, em preto e branco. Sobre a foto há o desenho de uma grande interrogação preta e amarela.

O ano de 2020 foi o marco do combate ao racismo no esporte, grandes estrelas como o britânico Lewis Hamilton da Fórmula 1, a nipo-haitiana Naomi Osaka do tênis e o astro da NBA, o americano LeBron James se ergueram em uma só voz e utilizaram suas imagens de sucesso para expor e cobrar as organizações esportivas medidas de combate e enfrentamento ao racismo.

O movimento vidas negras importam, a pressão popular e a exposição dos atletas conseguiram um feito inédito.  O Comitê Olímpico Internacional (COI) pela primeira vez, solicitou uma pesquisa internacional para saber a opinião de atletas de todo o mundo sobre a regra 50 da carta olímpica. A carta olímpica é um marco regulatório do movimento olímpico, e a regra 50 proíbe qualquer tipo de manifestação de cunho racial, político e religioso, bem como qualquer tipo de manifestação de ódio no âmbito esportivo.

A revisão e flexibilização da carta 50, criada na década de 1940, vem para pôr fim, ou pelo menos criar uma zona de diálogo para não mais punir atletas que se manifestam a favor dos direitos humanos. O Comitê Olímpico dos Estados Unidos veio a público pedir desculpas e reverter todas as punições que impossibilitaram atletas americanos de seguir suas carreiras por defenderem com punhos cerrados ou ajoelhados durante o hino o direito à vida.

No Brasil, a maior representatividade do esporte olímpico, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) desenvolveu um programa educacional intitulado Esporte Antirracista, que contou com a mentoria da escritora e filósofa Djamila Ribeiro e do professor de direito Tiago Vinícius André dos Santos, para orientar atletas, técnicos e gestores sobre o racismo no Brasil. E, também, uma ouvidoria para acolher denúncias de racismo sem expor a vítima.

Todas essas iniciativas marcam esse momento e prospecta no esporte um ambiente mais respeitoso, seguro e antirracista.

O CENTENÁRIO DO GOLEIRO BARBOSA É UM MARCO REPARATÓRIO, SIMBÓLICO NA CRONOLOGIA DE UM ATLETA DE ALTA PERFORMANCE, VITORIOSO, QUE DEFENDEU A SELEÇÃO BRASILEIRA COMO TITULAR, O NÚMERO 1, NA POSIÇÃO DE CONFIANÇA ENTRE TRAVES

Mesmo em branco e preto podíamos ver o brilho em seu sorriso e a coragem daquele que assumiu a responsabilidade de defender e proteger todo um time. Mesmo assim, Barbosa se tornou indefeso, entre os olhares que o julgaram. E não ouviu no silêncio da tristeza do gol sofrido uma só voz de motivação, respeito e conforto.

O negro gato virou símbolo de azar, má sorte e desconfiança. 

A desconfiança sombra que na luz do racismo orbitou de geração em geração até o rompimento do silêncio.

Levou décadas para reverter a imagem de fracasso em sucesso e ofertar o reconhecimento em cores à história que a invisibilizou.

Mesmo que não fosse a voz da própria boca que narrasse suas memórias, outros sons que ecoam pelo universo lhe dariam vida. Os novos Barbosas que não mais temerão as luvas que o aprisionaram e sentirão orgulho do seu legado.

Diogo Silva
Medalista olímpico no Takewondo e membro da Comissão dos Atletas do Comitê Olímpico Brasileiro.

 

Versão completa do texto apresentado na exposição Tempo de Reação – 100 anos do goleiro Barbosa.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support