Programa de Acessibilidade do Museu do Futebol - PAMF

O Museu do Futebol é o primeiro museu da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo planejado para ser acessível. Desde sua concepção, todas as salas e seu conteúdo foram pensados para atender diferentes perfis de públicos: brasileiros e estrangeiros; de diversas classes sociais; pessoas com deficiência física, intelectual e mobilidade reduzida; crianças, jovens, adultos e idosos. Para o Museu do Futebol, ser acessível é propiciar que um serviço seja usufruído pelo maior número de pessoas possível, independente de suas condições físicas, sociais e intelectuais. Em fevereiro de 2009, o Museu do Futebol recebeu o certificado 5 estrelas da Secretaria Municipal de Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de São Paulo e em 2012 o Prêmio Darcy Ribeiro conferido pelo IBRAM pelo projeto Deficiente Residente. O Programa de Acessibilidade do Museu do Futebol – PAMF – reúne uma série de recursos que tem como objetivo facilitar e potencializar o acesso ao museu.

No âmbito social, o Museu do Futebol oferece:

• Ingressos a preços populares: R$6,00 (inteira) e R$3,00 (meia para estudantes com carteirinha, aposentados e maiores de 60 anos, mediante comprovação); • Todas às quintas-feiras a entrada é gratuita; • Políticas de isenção para grupos de escolas públicas e instituições sociais. • Política de insenção para: - Crianças até 7 anos (mediante a apresentação de documento de identidade) - Professores da Rede Pública (Municipal, Estadual ou Federal) com apresentação de holerite - Pessoas com deficiência (a gratuidade é estendida para 1 acompanhante).

No âmbito físico e arquitetônico, conta-se com:

• Acesso a todos os andares do edifício por meio de escadas fixas e/ou escadas rolantes, e elevadores para cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção; • Piso tátil para cegos e pessoas com baixa visão em todo o percurso da exposição de longa duração; • Vagas exclusivas para pessoas com deficiência no estacionamento da Praça Charles Miller; • Banheiros acessíveis em todos os andares; • Telefone para surdos.

No âmbito intelectual, oferecemos:

• Audioguia para estrangeiros (em inglês, espanhol e português); • Audioguia para cegos; • Atendimento qualificado a todos os públicos; • Totens informativos em português, inglês, espanhol e Braille em todas as salas do Museu; • Maquetes táteis e imagens em relevo que permitem a transposição de conteúdos de algumas salas expositivas da exposição de longa duração.

DEFICIENTE RESIDENTE

O Museu do Futebol tem como princípio promover ampla acessibilidade ao público visitante. Equipado arquitetônica e tecnicamente com os recursos necessários a essa demanda, desde a sua inauguração, em 2008, procura investir na mudança da compreensão sobre as capacidades de interação e apreensão do contexto museológico pelas pessoas com deficiência. Seguindo este princípio, em 2010, o Museu do Futebol iniciou o Projeto Deficiente Residente – experiência pioneira desenvolvida pela equipe do Museu – cujo principal objetivo é atuar na área comportamental, incidindo e transformando o próprio atendimento oferecido pela equipe. O projeto permite repensar o atendimento de todos que integram com o museu e, em particular, o dos visitantes com deficiência, suscitando a discussão e a sensibilização sobre a peculiaridade de cada uma das deficiências. O projeto foi idealizado e é coordenado pelo Núcleo de Ação Educativa e conta com a assessoria de dois residentes com níveis distintos de deficiência. Durante três meses, são realizados encontros semanais entre educadores e deficientes residentes. Em um primeiro momento, busca-se descobrir e valorizar os pontos em comum entre os dois lados, assegurando maior confiança e intimidade à relação entre educadores e residentes. Depois, juntos, eles compartilham informações e discutem melhorias no contato com o visitante e no espaço expositivo.

Edições do projeto:

• 2010 – Deficiência visual (uma pessoa com baixa visão e outra cega) • 2011 – Deficiência intelectual (uma pessoa autista e uma com Síndrome de Asperger) • 2012 – Deficiência auditiva (ambas surdas, porém oralizadas e faziam leitura labial além da comunicação em Libras) • 2013 – Deficiência física (uma pessoa cadeirante e uma com paralisia cerebral)

AUDIOGUIA PARA CEGOS

Recurso oferecido gratuitamente e que permite pessoas cegas ou com baixa visão realizarem uma visita autônoma ao espaço expositivo do Museu do Futebol. Composto com informações sobre o trajeto, descrição das salas, exploração do conteúdo desenvolvido e metáforas poéticas que aproximam o visitante das construções visuais.

DEFICIENTE RESIDENTE

Visitantes com deficiência visual, pessoas com limitações de compreensão de linguagem e o público em geral tem mais uma ferramenta para curtir a exposição do Museu do Futebol. Com o apoio da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, foi lançado em janeiro de 2013 o Catálogo do Programa de Acessibilidade do Museu. O projeto contou com o patrocínio do Laboratório Aché, através da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura. São cem páginas em tinta e braile, com imagens em relevo, para pessoas curiosas, interessadas no Museu, no Futebol e na nossa História. Para serem lidas também com as mãos, seguindo as formas e texturas de cada sala do Museu do Futebol.